top of page

Da minha janela

Da minha janela eu contemplo o ócio.

Acendo um cigarro. Trago para mais perto a máquina de escrever.

Rabisco e apago. Aperto e afago. Toco e corro.

Se me mata o amor, quero é viver sem ele. Da minha janela eu

contemplo dois pombos, o céu nublado e gramas em processo de nascimento.

Desenho e rasgo. Sorrio e derramo. Troco a playlist.

Eu só queria que você estivesse segurando a minha cintura e beijando

meu pescoço, me dizendo que o amor ainda vale a pena;

que meu cheiro é a coisa mais abstrata de qualquer poesia;

que no portaretratos será sempre nós. Queria que você lesse minhas poesias.

Os sinais estão sempre espalhados pela casa.

Da minha janela, não te vejo mais.


Dry Neres é Presidente da Academia Valparaisense de Letras. Licenciada em Letras, Pedagogia e Filosofia. Também especialista em Gramática, produção de textos, literatura e linguística. Mestranda em Educação, gestão e tecnologias pela UEG.

livro: Que fique entre nós

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page